Director: Lázaro Manhiça

A ÁFRICA do Sul destacou militares para as ruas de Gauteng e KwaZulu-Natal para ajudar a conter a situação de violência, pilhagens e intimidação que eclodiu no país após a detenção do ex-Presidente Jacob Zuma, foi hoje(12) divulgado.

"A Força de Defesa Nacional da África do Sul iniciou os procedimentos de destacamento no âmbito de um pedido de assistência do Comando Operacional e de Inteligência Conjunto para ajudar as agências da lei e ordem nas províncias de Gauteng e KwaZulu-Natal, respectivamente, a conter os distúrbios que atingiu ambas as províncias nos últimos dias", divulgaram hoje as Forças Armadas da África do Sul (SADF, na sigla em inglês) em comunicado, a que a Lusa teve acesso.

“Posso confirmar que os membros da SANDF foram destacados”, disse, por seu lado, o general Mafi Mgobozi, citado pela imprensa sul-africana.

Na manhã de hoje, o líder do principal partido na oposição na África do Sul, o Aliança Democrática (DA, na sigla em inglês), John Steenhuisen, instarao Governo a destacar as Forças Armadas para colocar fim à actual onda de violência e “pilhagens gratuitas” no país.

Pelo menos 200 pessoas foram detidas e sete morreram nas ações violentas que afetam pelo quinto dia consecutivo várias áreas do KwaZulu-Natal e Gauteng, na África do Sul, divulgou hoje a polícia sul-africana.

“ZONA DE GUERRA”

Pilhagens a lojas e centros comerciais, assaltos, intimidação, confrontos armados com as forças de segurança e veículos incendiados prosseguiram na manhã desta segunda-feira (12), pelo quinto dia consecutivo, nomeadamente na capital económica Joanesburgo, onde reside a maioria dos emigrantes portugueses.

O centro da cidade de Joanesburgo é considerado pelos residentes locais uma “zona de guerra”.

Os manifestantes “barricaram” com pneus incendiados e entulho várias ruas de acesso à capital económica do país, disse o porta-voz da Polícia Metropolitana de Joanesburgo (JMPD, na sigla em inglês) Wayne Minnaar.

Várias áreas da Grande Joanesburgo encontram-se também afectadas pelas ações violentas, segundo a Polícia. 

Residentes no KwaZulu-Natal criaram “grupos armados” para proteger negócios e residências na província e na área metropolitana da cidade portuária de Durban, relatou a imprensa local.

Os incidentes começaram na província oriental KwaZulu-Natal, após Jacob Zuma ter sido detido na sua residência, em Nkandla, na quarta-feira à noite pelas forças de segurança, para cumprir uma pena de prisão de 15 meses por desrespeito a uma ordem do Tribunal Constitucional, a mais alta instância judicial do país.

Na sexta-feira, os distúrbios alastraram-se a várias áreas de Joanesburgo.- LUSA

CONVERSAS AOS SÁBADOS

CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO

Presidente: Júlio Manjate

Administrator: Cezerilo Matuce

JORNAL DIGITAL


Template Settings

Color

For each color, the params below will give default values
Tomato Green Blue Cyan Dark_Red Dark_Blue

Body

Background Color
Text Color

Header

Background Color

Footer

Select menu
Google Font
Body Font-size
Body Font-family
Direction