Imprimir
Categoria: Internacional
Visualizações: 391

AS empresas farmacêuticas Pfizer e BioNTech anunciaram hoje (21) que o grupo sul-africano Biovac vai iniciar a produção da sua vacina contra a Covid-19 na África do Sul, no início de 2022, uma estreia no continente africano.

As empresas "assinaram uma carta de intenções" com a Biovac que lhes permitirá fornecer até 100 milhões de doses por ano aos países africanos.

A transferência de tecnologia e a instalação das máquinas necessárias para engarrafar o produto, a fase final de fabrico, começará "imediatamente", de acordo com uma declaração das empresas.

O soro será transportado a partir das fábricas europeias dos dois laboratórios, que manterão assim o controlo sobre o fabrico do RNA do mensageiro, a “fase mais delicada e crucial”. Será então engarrafado e distribuído "exclusivamente nos 55 países-membros da União Africana", segundo a alemã BioNTech e a norte-americana Pfizer.

"Este é um passo crucial no reforço do acesso sustentável às vacinas" e a colaboração "permitirá uma distribuição mais ampla de doses a pessoas em comunidades de difícil acesso, especialmente no continente africano", referiu Morena Makhoana, presidente da Biovac.

As desigualdades geográficas permanecem gritantes face à pandemia, tendo os países desenvolvidos aplicado programas de vacinação extensivos, por um lado, e os países mais pobres ficado muito para trás:  1,6% das doses administradas a nível mundial foram administradas em África, que tem 17% da população mundial, de acordo com dados compilados pela AFP.

A OMS estimou recentemente que apenas 2% dos africanos, ou 16 milhões de pessoas, foram totalmente imunizados.

Antes da produção local, que chegará tarde para responder ao actual surto de casos da variante Delta, África depende para o fornecimento das suas vacinas principalmente do mecanismo internacional Covax e das doações, que, no entanto, estão a chegar “a conta-gotas”.

África regista 159.719 mortes devido à Covid-19, num total de 6.281.998 casos de infecção com o novo coronavírus desde que em Fevereiro o Egipto notificou o primeiro caso da doença no continente, segundo o Centro de Controlo e Prevenção de Doenças da União Africana (África CDC).-(LUSA)