Imprimir
Categoria: Internacional
Visualizações: 799

O presidente Donald Trump demitiu, Kirstjen Nielsen, a mulher responsável pela segurança interna dos Estados Unidos, considerada braço pesado da política migratória de Donald Trump.

Em menos de 24 horas depois da saída de Nielsen, Trump demitiu também o director do Serviço Secreto, Randolph Alles, que era subordinado a Nielsen no Departamento de Segurança Interna.

Nos 16 meses em que Nielsen esteve no cargo, militares foram enviados à fronteira com o México, e a polícia usou gás lacrimogéneo contra os imigrantes, aumentando o número de detidos, (só em Março foram 100 mil, o maior em uma década) e as crianças foram separadas dos pais ao entrarem nos Estados Unidos, mas para Trump, não foi dura o bastante.

A imprensa americana afirma que Trump queria que Nielsen impedisse os imigrantes de pedirem asilo, o que é contra a lei. E que voltasse a separar as crianças dos seus pais na fronteira, o que a secretária teria se negado a fazer.

Em 2018, quando a política foi posta em prática, imagens de crianças em gaiolas, mandadas para abrigos longe dos pais, despertaram reacções pelo mundo e o governo foi obrigado pela Justiça a voltar atrás, mas muitas famílias ainda continuam separadas.

Nielsen foi alvo de críticas, virou o símbolo da política migratória de tolerância zero e os opositores pediram a sua saída.

Trump tem feito da política migratória sua maior batalha e também uma ferramenta de propaganda. Desde a construção do muro, que era uma promessa de campanha, até mais, recentemente, a ameaçar fechar a fronteira com o México.