Imprimir
Categoria: Internacional
Visualizações: 1190

A IV Reunião Técnica Conjunta sobre a Mobilidade na Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP) terminou ontem em Lisboa, tendo apresentado avanços face à reunião anterior, disse o embaixador de Cabo Verde em Portugal.

Em declarações à imprensa, após a reunião na sede da CPLP, em Lisboa, o embaixador Eurico Monteiro, que representou a presidência da CPLP, actualmente de Cabo Verde, referiu que "mais de cinco sextos do projecto foram objeto de discussão e consensualização".

"Eu devo dizer, com muita satisfação, que se na sessão anterior nós avançámos bastante neste domínio, hoje o avanço foi de facto maior. Nós, na verdade, consensualizamos a nível técnico um conjunto de soluções que representam a esmagadora maioria das soluções normativas do projecto", acrescentou o embaixador cabo-verdiano.

O embaixador afirmou que nesta reunião técnica se teve "todo o cuidado na redação e no aperfeiçoamento da linguagem", tendo sido ainda convocada uma outra reunião que "deverá ter lugar em 29, 30 e 31 de janeiro do próximo ano" para "finalizar o texto".

"Vamos agora fazer circular esta versão que resulta deste debate, esperar as contribuições dos Estados-membros no sentido de proporem alguma correção", disse Eurico Monteiro, que explicou que o próximo passo será fazer circular uma versão preliminar e então, na reunião no final de janeiro de 2020, "fechar a redacção" do documento para que possa então ser alocada para o Conselho de Ministros dos Negócios Estrangeiros, que terá lugar em Cabo Verde, "em Março ou abril" do mesmo ano.

Para Eurico Monteiro, os princípios estruturantes da convenção-quadro deste projecto de mobilidade dentro de países da CPLP passam pela "questão de a flexibilidade de opção dos Estados-membros poderem escolher as modalidades, os ritmos" e os segmentos abrangidos.

Segundo o responsável cabo-verdiano, há já "pouca matéria que está em discussão", sendo a categorização de pessoas e profissões uma das principais barreiras restantes.

Eurico Monteiro explicou que esta convenção-quadro permite maior flexibilidade aos Estados-membros nas negociações no âmbito da mobilidade.

"Nós temos uma montra de soluções dentro da Convenção Quadro e convidamos os Estados a escolherem um conjunto de alternativas que possam corresponder às suas realidades internas e aos seus aos seus interesses"

O embaixador cabo-verdiano detalhou que as propostas para a mobilidade dentro da CPLP se dividem em três categorias: curta duração, até 30 dias, média duração, até 12 meses, e de longa duração, relacionada com a residência, que pode ser renovada de dois em dois anos.

O responsável diplomático de Cabo Verde em Portugal referiu que há dois compromissos mínimos que devem ser atingidos com esta convenção-quadro.

"Nós temos um compromisso mínimo que é ter todos os agentes políticos, como os titulares do passaporte diplomático, os titulares de passaportes oficiais e de passaportes de serviço com entrada e poderem circular livremente por todos os Estados-membros, porque neste momento ainda temos algumas dificuldades nesse sentido", explicou, mas sublinhou que "a maior parte delas já está ultrapassada".

"E depois temos um outro compromisso mínimo, que é no fundo um esforço dos Estados de criarem todas as condições para que a mobilidade seja um fenómeno progressivo e gradual até se chegar ao máximo, que é os cidadãos poderem circular livremente", acrescentou.

Eurico Monteiro acrescentou que o acordo vai permitir aos Estados-membros da CPLP estabelecer parcerias além das estadias temporárias.

"Os Estados são convidados a estabelecer parcerias", referiu o embaixador.

O embaixador cabo-verdiano defendeu a convenção-quadro para a mobilidade, considerando que este é "um acordo simplificado" que vai permitir reduzir a quantidade de passos no sentido de expandir a mobilidade entre países lusófonos.

A CPLP é composta por Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Guiné Equatorial, Moçambique, Portugal, São Tomé e Príncipe e Timor-Leste.