Director: Lazaro Manhiça

A SUÉCIA desvendou ontem o caso do assassinato do ex-primeiro-ministro sueco Olof Palme, morto a tiro há 34 anos, no centro de Estocolmo.

O procurador responsável pelo caso, Krister Petersson, disse que o mesmo estava a ser encerrado porque o principal suspeito, Stig Engstrom, morreu em 2000.

Palme foi morto a tiro em 28 de Fevereiro de 1986, em Estocolmo, depois de sair do cinema com a mulher, Lisbeth Palme.

O procurador disse que Engstrom, também conhecido como Skandiamannen por trabalhar na companhia de seguros Skandia, nas proximidades, tinha uma forte aversão a Palme e às suas políticas. Foi uma das primeiras pessoas a chegar ao local do crime e inicialmente foi considerado suspeito.

"Uma vez que morreu, não o podemos indiciar", disse Petersson, em conferência de imprensa.

Algumas testemunhas deram descrições do assassino em fuga que combinavam com as características de Engstrom, enquanto outros disseram que nem estava no local. O próprio Engstrom afirmou estar presente desde o início, falou com LisbethPalme e com a polícia e tentou ressuscitar a vítima.

Pouco depois do assassinato, Engstrom apareceu nos media suecos e elaborou uma história cada vez mais detalhada do seu envolvimento nos acontecimentos, criticando a polícia. Alegou que as testemunhas que descreveram o assassino estavam no fundo a decrevê-lo a ele, que tinha estado efectivamente no local.

A polícia então considerou Engstrom como testemunha não fiável e inconsistente e classificou-o como uma pessoa sem interesse para a investigação.

Olof Palme procurava viver de forma simples e costumava sair sem guarda-costas. Na noite do assassinato não tinha protecção.

LisbethPalme ficou ferida no ataque e, mais tarde, identificou o atirador como Christer Pettersson, alcoólico e viciado em drogas, que foi condenado pelo assassinato de Palme. A sentença foi revogada depois de a polícia não ter apresentado qualquer evidência técnica, deixando o mistério por resolver. Pettersson morreu em 2004.

Mais de 100 pessoas foram consideradas suspeitas do crime e o caso não resolvido foi rodeado por teorias da conspiração, que vão desde o envolvimento estrangeiro, a pessoas com simpatias de direita dentro da Polícia da Suécia até a um acto de um atirador solitário.

Palme era uma figura extravagante, um político carismático e era conhecido pelas suas ideias de esquerda. Foi primeiro-ministro da Suécia entre 1969 e 1976 e, novamente, entre 1982 e 1986. (Lusa)

Comments

O PRESIDENTE dos Estados Unidos, Donald Trump, sugeriu esta terça-feira (9) que o manifestante de 75 anos ferido pela Polícia no Estado de Nova Iorque pode fazer parte de uma montagem, um comentário que o governador de Nova Iorque considerou “inaceitável”.

Em um vídeo gravado na quinta-feira passada, dois policiais são vistos empurrando o manifestante, cuja cabeça bate no chão com força, o que provocou uma onda de indignação nos Estados Unidos.

Uma primeira declaração oficial afirmou que o septuagenário, que estava sangrando muito e parecia ter perdido a consciência, “tropeçou e caiu”.

Diante do escândalo causado pelo caso, os dois políciais envolvidos foram suspensos e acusados de agressão pelo procurador local.

O manifestante, Martin Gugino, um militante conhecido localmente, foi hospitalizado.

“O manifestante de Buffalo empurrado pela Polícia pode ser um agitador do Antifa”, escreveu Trump no Tweeter, referindo-se ao movimento de esquerda que ele acusa de ter alimentado a violência nos Estados Unidos desde a morte do afro-americano George Floyd às mãos da Polícia.

O Presidente republicano mencionou mais tarde, de maneira bastante confusa, um relatório da One America News Network, um canal conservador, segundo o qual o manifestante havia tentado interceptar as comunicações policiais.

“Isso pode ser uma montagem?”, perguntou Trump no final de um tweeter.

O governador democrata do Estado de Nova Iorque, Andrew Cuomo, disse que Trump “deveria desculpar-se” por sua mensagem “inaceitável”, “repreensível e estúpida”.

“Que perigoso, irresponsável, mau e cruel!”, declarou Cuomo em uma entrevista colectiva.

“Neste momento de angústia e raiva, o que você está fazendo? Joga mais lenha na fogueira (…) Mostre decência, mostre humanidade, mostre equidade”, acrescentou, referindo-se ao Presidente.

Comments

O LÍDER da Coreia do Norte, Kim Jong-un, anunciou esta terça-feira (9) que as linhas de comunicação com a Coreia do Sul serão cortadas.

Kim acusa o governo sul-coreano de ser conivente com “actos hostis” feitos pela “ralé”.

Na semana passada, a irmã de Kim Jong-un, Kim Yo-jong, repudiou o envio de balões com panfletos por dissidentes da Coreia do Norte desde cidades da Coreia do Sul que ficam próximas à fronteira entre os dois países.

“Essa medida é o primeiro passo para fechar totalmente todo o meio de comunicação com a Coreia do Sul e ficar livre das coisas desnecessárias”, diz um texto norte-coreano.

Comments

O funeral do afro-americanoGeorge Floyd está marcado para, hoje 3ª feira (9-Jun), na cidade de Houston, e será aberto ao público, com uma previsão de que milhares de pessoas compareçam na cerimónia.

O corpo de Floyd chegou, nesta 2ª feira (8), à cidade de Houston, no Texas, onde reside sua família para a cerimónia de funeral, a decorrer no campus da The Fountain of Praise Church.

As cerimónias fúnebres de George Floyd começaram na 5ª feira dia 4 em Minneapolis, onde morreu a 25 de Maio, após ser detido pela Polícia em Minneapolis. Em imagens, um polícia branco, Derek Chauvin, passou 8 minutos e 46 segundos pressionando seu pescoço com o joelho, enquanto ele dizia que não conseguia respirar. Nos minutos finais, Floyd não se mexia mais.

Segundo a Polícia local, ele foi detido por supostamente usar uma nota falsa de US$ 20 num mercado, entretanto, Floyd transformou-se num símbolo de luta contra o racismo e a violência policial nos Estados Unidos e em vários quadrantes do mundo.

Actualmente, o departamento da Polícia em Minneapolis enfrenta problemas, porque a Assembleia Municipal da cidade norte-americana votou a favor do desmantelamento da estrutura, o que significa suspender o financiamento das forças de segurança depois do caso da morte de George Floyd.

Comments

O LÍDER do partido Combatentes pela Liberdade Económica (EFF), Julius Malema, anunciou que não participará mais nas reuniões consultivas do Presidente Cyril Ramaphosa com os partidos políticos sobre a resposta que o governo deve tomar face à pandemia da Covid-19. Leia mais

Comments

CONVERSAS AOS SÁBADOS

CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO

Presidente: Júlio Manjate

Administrator: Rogério Sitóe

Administrator: Cezerilo Matuce

JORNAL DIGITAL


Template Settings

Color

For each color, the params below will give default values
Tomato Green Blue Cyan Dark_Red Dark_Blue

Body

Background Color
Text Color

Header

Background Color

Footer

Select menu
Google Font
Body Font-size
Body Font-family
Direction