PHC

Director: Lázaro Manhiça

DE VEZ EM QUANDO: Paulo Majacunene longe dos holofotes (ALFREDO MACARINGUE)

 

NÃO sei o que é que ele fez para lhe tirarem da Beira, onde era,nos últimos tempos,primeirosecretário da Frelimo, e despacharem-no ao reduto dos machuabos. Há quem diga que ele pagoucaro o preço da integridade, dentro das guerrinhas internas que acontecem nas organizações emqualquer sociedade. Mas não é isso que eu quero que se discuta neste texto. Para mim, PauloMajacunene é um actor firme, como aqueles que até hoje mantêm-se no juramento de seremprimeiros nos sacrifícios e últimos nos benefícios.

Antes de ir à Beira, andou décadas a fio na zona perigosa da Gorongosa e outros lugares daquelageografia de guerra, e sempre apareceu a falar de forma destemida e com alto sentido de missão.Para quem o conhece confirma que,na verdade,Majacunene nunca teve medo, nem deDhlakama. Por isso falava aos órgãos de informação dos ataques da Renamo, em pleno conflitoarmado dos 16 anos, em defesa do seu partido, quando o normal seria “esconder a cabeça”. Elenunca fez isso. Deu sempre a cara, muitas vezes em risco da sua própria vida.

Depois, talvez em reconhecimento da sua bravura e rectidão foi chamado a defender o “glorioso”numa cidade difícil como a Beira, onde veio a brilhar sem levantar os ombros. Majacunene ia atodas, com uma tranquilidade impressionante, e os que trabalharam com ele afirmam que estafigura nunca caiuna tentação da boa vida. Pode ser por isso que lhe tiraram do Chiveve e,nestemomento,está na Zambézia, no INSS, onde não há dúvida de que o dinheiro dos trabalhadoresestá bem guardado nas “mãos” de Majacunene.

Foi por lhe ter visto na recente reunião do Comité Central da Frelimo,realizada na Matola, queme lembrei de que a Frelimo ainda tem, de facto, homens íntegros, que por causa disso mesmonão são focados pelos holofotes. Majacunene é um exemplo a seguir. Não é ele sozinho queainda trilha por um caminho limpo. Há outros, mas é Majacunene que me vem agora à memória,e não vejo nenhum problema em escolhê-lo como meu ídolo.

Há muito que não via este homem, e ao que parece, continua o mesmo. Ele contraria o seu nome.Majacunene significa,em tsonga,pessoa que come bem. Paulo Majacunene até pode comer bem,mas é comida do seu suor, e todos nós temos direito de comer bem, desde que seja do nosso suor.

E eu não posso ficar sereno e impávido quando me cruzo, ou quando vejo alguém comoMajacunene, cuja prioridade na sua vida é que os outros tenham o bem-estar.

Infelizmente, pessoas assim são empurradas para o anonimato, e morrem sem que alguém dedireito tenha feito a justiça de as colocar na luz da ribalta. E a luz da ribalta não são apenas oscargos políticos, mas uma simples homenagem para que a juventude siga o bom exemplo dohomenageado. E esta é a minha vénia ao Paulo Majacunene.

A Luta Continua!

CONVERSAS AOS SÁBADOS

CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO

Presidente: Júlio Manjate

Administrator: Rogério Sitoe

Administrator: Cezerilo Matuce

JORNAL DIGITAL


Template Settings

Color

For each color, the params below will give default values
Tomato Green Blue Cyan Dark_Red Dark_Blue

Body

Background Color
Text Color

Header

Background Color

Footer

Select menu
Google Font
Body Font-size
Body Font-family
Direction