Imprimir
Categoria: Política
Visualizações: 878

LÍDERES religiosos congratulam a intervenção de forças militares estrangeiras no país para ajudar a erradicar o terrorismo em Cabo Delgado, mas defendem que a sua actuação deve ter em conta os direitos da população.

Este apelo surge, segundo referiram, pelo facto de a província de Cabo Delgado já estar a viver uma situação humanitária preocupante e pela experiência vivida noutros países, em situações do género.

Lembraram ainda que o país já teve a experiência da intervenção de uma força de manutenção de paz das Nações Unidas, em 1992, logo após a assinatura do Acordo Geral de Paz, esperando que actualmente os militares estrangeiros também respeitem a população.

Desde o dia 09 de Julho,um contingente de mil homens, entre militares e polícias ruandeses, encontra-se no país para apoiar as Forças de Defesa e Segurança (FSD) no combate a este fenómeno.

A estes juntam-se cerca de 300 militares tswanas, que desembarcaram na última segunda-feira, e outros 20 angolanos eram esperadosontempara a composição da Força em Estado de Alerta da Comunidade de Desenvolvimento da África Austral (SADC), autorizada pela Cimeira de Chefes de Estado e de Governo, a 23 de Junho último.

Os religiosos consideram ser de louvar a disponibilidade dos países amigos de Moçambique de contribuir para eliminar um problema que preocupa toda a população, com risco de se alastrar para toda a região Austral e não só.

Neste momento, apelam a todos os cidadãos, independentemente das suas crenças religiosas, políticas, sociais ou culturais, demodo adeixaremas diferenças de lado e se unirempara apoiar este esforço de salvar a vida da população de Cabo Delgado.

No entanto, apelam ainda para a necessidade de o Governo efectuar um trabalho intenso para evitar que haja situações de tentativasde se usar o pretexto do terrorismo para se buscar proveito próprio.

Pedem também a todas as denominaçõesreligiosas para continuarem a orar, mesmo com as restrições impostas pela pandemia da Covid-19, para que a missão dos militares, nacionais e estrangeiros, de erradicar o terrorismo seja um sucesso.