PHC

Director: Lázaro Manhiça

A Missão de Observação Eleitoral da União Europeia (UE) considera que a votação foi bem organizada, mas precedida por violência, limitação das liberdades fundamentais e dúvidas sobre a qualidade do recenseamento eleitoral.

Estas são as conclusões preliminares apresentadas hoje, em Maputo, numa conferência de imprensa organizada pela Missão de Observação Eleitoral da UE em Moçambique.

Segundo o chefe da Missão, Sánchez Amor, estas primeiras conclusões incluem a análise da campanha eleitoral, o quadro jurídico, o desempenho dos órgãos eleitorais, a qualidade do recenseamento, a apresentação de candidaturas, o papel dos meios de comunicação social e a participação das mulheres.

Amor disse que a avaliação abrange também o dia da votação, observado em todas as províncias por mais de 150 observadores da UE, Canadá, Suíça e Noruega, que visitaram 807 mesas de assembleias de voto.

O chefe da missão europeia disse que apesar dos procedimentos de votação terem sido cumpridos, na contagem de votos registou-se a ausência de observadores nacionais em quase metade das assembleias de voto, facto que não contribuiu para a transparência do processo.

 Respondendo à questão colocada por jornalistas, sobre incidentes que ocorreram em algumas assembleias de votação, se mancham ou não o processo, Amor respondeu que a missão de observadores é de relatar tudo o que aconteceu e não lhes cabe fazer o juízo.

 

 

CONVERSAS AOS SÁBADOS

CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO

Presidente: Júlio Manjate

Administrator: Rogério Sitoe

Administrator: Cezerilo Matuce

JORNAL DIGITAL


Template Settings

Color

For each color, the params below will give default values
Tomato Green Blue Cyan Dark_Red Dark_Blue

Body

Background Color
Text Color

Header

Background Color

Footer

Select menu
Google Font
Body Font-size
Body Font-family
Direction