Director: Júlio Manjate

O Presidente da República, Filipe Nyusi, exige que cada governador seja um exemplo de franqueza, transparência e integridade para que os discursos de corrupção deixem de ser um mero exercício de retórica. Falando ontem, em Maputo, durante a cerimónia de tomada de posse dos 10 governadores eleitos, Nyusi vincou que a legislação governativa clarifica a distinção entre bens públicos e privados, pelo que não vai hesitar em aplicá-la sempre que for necessário.

“Evitem a tentação de confundir os bens públicos com propriedade privada. Há essa confusão”, advertiu o Chefe do Estado. Ainda sobre a boa gestão da coisa pública, Nyusi apontou como exemplo uma escola primária ou secundária que apresenta um estado degradado de seus jardins, casas de banho, entre outras infra-estruturas, afirmando que a solução não deve ser da instituição subordinada, mas sim do próprio governador. “O nosso apelo é que façam uma gestão criteriosa de bens públicos.

São poucos, mas mesmo esses respeitando-os, conservando-os e usando-os para os fins a que são destinados”, afirmou, segundo a AIM Os princípios da legalidade, transparência, imparcialidade e probidade devem, segundo Nyusi, nortear a vida e o trato entre os governadores e os moçambicanos e outras entidades.

Fez lembrar que na qualidade de servidores públicos os governadores devem observar escrupulosamente todos os princípios que abrangem os que se encontram na mesma condição. Aliás, disse Nyusi, a tomada de posse dos governadores acontece numa altura em que decorre no país um combate cerrado à corrupção. “Não entrem nas armadilhas. As pessoas corrompem e depois os próprios corruptores são os primeiros a denunciar e se fazem de inocentes.

A experiência está a mostrar isso agora”, advertiu. Sobre as preocupações da população local reiterou que o moçambicano é o primeiro e último destinatário do trabalho do governador. Por isso, exige que estejam atentos às preocupações, uma vez que doravante as populações já não vão reclamar directamente ao Presidente da República sobre assuntos provinciais, mas sim ao governador.

“É o fruto da descentralização”, disse, para depois acrescentar que “não gostaríamos de ouvir que é muito mais fácil falar com o Presidente, mas é difícil falar com o governador. Tem de ser o contrário”, disse. Os governadores provinciais, membros das assembleias provinciais e os secretários de Estado tomam posse antes de 30 dias após a validação dos resultados eleitorais pelo Conselho Constitucional, acto que teve lugar a 23 de Dezembro último.

Comments

OS governadores provinciais ontem empossados em Maputo pelo Presidente da República, Filipe Nyusi, asseguram estar preparados para enfrentar os principais desafios do quinquénio.

Trata-se de governadoresde dez províncias, com a excepção da cidade de Maputo, que apontaram como apostaa promoção de infra-estruturas sociais e económicas, construção de mais fontes de água, energia, estradas e pontes, entre outras,para o bem-estar da população.

Em entrevista ao “Notícias”, reconheceram os enormes desafios que vão enfrentar no terreno, em particular os das regiões centro e norte, devido a calamidades naturais e ataques armados, mas asseguraram estar preparados para vencer os obstáculos.

Pela primeira vez na história, o país elegeu governadores provinciais, que foram os cabeças-de-lista que concorreram nas eleições para as assembleias provinciaisde Outubro de 2019, no caso concreto todos da Frelimo,que obteve o maior número de membros eleitos.

Os governadores são órgãos executivos de governação descentralizada e a sua eleição através dasassembleias provinciais surge no âmbito da revisão pontual da Constituição da República, em resultado dos entendimentos políticos entre o Governo e a Renamo, no contexto das negociações para a paz efectiva.

Queremos potenciar o turismo

O GOVERNADOR de Inhambane, Daniel Chapo, fez saber que a grande prioridade da sua província para o presente quinquénio é o turismo, sem, no entanto,negligenciar as outras áreas, salientando que no quinquénio passado foielaboradoum roteiro  turístico que brevemente vai passar à acção.

Um dos exemplos avançados é a restauração,em Cambine, do dormitório usado por Eduardo Mondlane, primeiro presidente da Frelimo.

“Esse dormitório denominamos de Eduardo Mondlane e foi aqui onde ele esteve durante o tempo em que era estudantenaquele local”, disse Chapo, acrescentando que a ideia é passar àprática o desenho de roteiros turísticos da cidade e da província já elaborados.

Daniel Chapo indicou ainda a concentração de esforços na agricultura, olhando para a cadeia de valor,incluindo o turismo e outras actividades económicas, com certeza de quetodas as outras áreas vão crescer, comotransporte, energia, saúdeeeducação.

Anunciou que, neste momento, cerca de 60 por cento do turismo nacional é feito emInhambane, tornando esta actividade a principal marca da província,mas também se referiu àsáreas do saneamento do meio e assistência a idosos e criançascomo importantes.

Garantir coesão

MANUEL Rodrigues, que sai da província de Manica para Nampula, assegurou, por seu turno, que o primeiro desafio é garantir a união e a coesão,para apontaro foco nodesenvolvimento da província.

Falando ao “Notícias”, Rodrigues disse que pretende trabalhar com todososquadros que vai encontrar na provínciapara acelerar o desenvolvimento, nomeadamente incrementar infra-estruturas sociais e económicas.

“Também pretendemos catapultar a participação das comunidades no processo do desenvolvimento da província”, disse.

Promover agricultura em Manica

A GOVERNADORA de Manica, Francisca Domingos, consideroua promoção da agricultura como um dos principais desafios da província. Segundo disse, Manica tem muitas oportunidades agrícolas e pode produzir todo o tipo de produtos,graças ao clima que é favorável.

O outro desafio é a criação de condições para o bem-estar das comunidades,especificamente infra-estruturas como fontesde água, estradas e pontes, escolas e  hospitais, pois constituem as principais preocupações apresentadas pelas populações durante a campanha eleitoral.

Estancar ataques em Cabo Delgado

JÁ o governador de Cabo Delgado, Valige Tauabo, apontou que a eliminação dos ataques na província porgruposdesconhecidosé a principal prioridade para que haja desenvolvimento.

Tauabo reconheceu que a província está a viver momentos difíceis, mas deixou claro que ainda precisa de sentar com o seu elenco para discutir como se irá posicionar sobre o assunto.A outra prioridade de Tauabo é o desenho de estratégiaspara minimizar os efeitos dascalamidades naturais que fustigam aquela região do país.

“Iremos trabalhar com o Instituto Nacional de Gestão deCalamidades para juntos encontrarum formato apropriado que possa servir para todos nós”, disse.

Viola aposta na agro-pecuária

DOMINGOS Viola, governador de Tete, olha para a pecuáriae agriculturacomo como sectores com potencialidades que precisam de ser capitalizadas para o desenvolvimento da província.

“Temos a radiografia da província e sabemos que a agricultura e a pecuária são as principais áreas que garantem o sustento das populações de Tete”, disse.

Explicou que o Governo vai garantir que haja valor acrescentado nessas duas actividades e que haja trocas comerciais regulares e sustentáveis para combater a fome que assolaprincipalmentea zona sul da província.

Segundo Viola, a província de Tete sofre ciclicamente de calamidades naturais, daíque um dos seus desafios é a concepção de estratégias para minimizar ou acabar com este problema.

“Há registo de mineração na província, um recurso que temos de controlar, embora reconheçamos que não é nossa missão a 100 por cento, mas ela envolve nossa população”, disse.

Salientouque há necessidade de criar condições para que haja sintonia entre o Governo e outras entidades ligadas aessa área, para que a produção da província beneficie a população local.

Comments

Ana Comoana é a nova ministra de Administração Estatal e Função Pública. A informação foi prestada há momentos pelo Chefe do Estado, Filipe Nyusi, durante o acto de empossamento dos governadores provinciais, cujo acto decorre na Presidência da República.

Antiga Vice-Ministra da Cultura e Turismo, no anterior governo, Ana Comoana vai substituir no cargo Carmelita Namashulua que, no actual ciclo de governação assume as funções de Ministra da Educação e Desenvolvimento Humano.

(NOTÍCIA EM ACTUALIZAÇÃO)

 

Comments

Moçambique vai precisar de apoio de outras organizações para acabar com os ataques armados no norte do país, porque é um problema de vários Estados, disse ontem o Presidente moçambicano, Filipe Nyusi.

"Precisamos de comparticipação, porque é um problema multinacional.Então, a sua solução não vai depender só de Moçambique, mas estamos a trabalhar", referiu a jornalistas, em Londres, após a cimeira Reino Unido-África, em declarações transmitidas pela Televisão de Moçambique (TVM).

Segundo Nyusi, "algumas empresas colocaram-se à disposição para dar o seu apoio, o que vai permitir que esse assunto deixe de ser problema para o desenvolvimento de Moçambique".

A insegurança no norte da província de Cabo Delgado foi levantada em contactos com potenciais investidores, à margem da cimeira de segunda-feira, em Londres, referiu Nyusi, reiterando que todos procuram segurança.

Da mesma forma, foram questionados os ataques dos ex-guerrilheiros dissidentes da Renamo que têm desassossegado o centro do país.

"Tudo estamos a fazer para estancar o caso do centro do país, com diálogo. Penso que passos estão a ser dados", concluiu o Chefe do Estado moçambicano.

Ataques armados cuja autoria suscita dúvidas, no norte de Moçambique, na província de Cabo Delgado, já provocaram cerca de 350 mortos nos últimos dois anos, em redor dos megaprojectos de exploração de gás natural.

No centro do país, guerrilheiros dissidentes da  (Renamo) contestam o Acordo de Paz celebrado entre o principal partido da oposição e o Governo, em Agosto, e desde então já mataram 21 pessoas em ataques contra aldeias e viaturas nas principais estradas da região.

Comments

A Procuradoria-Geral da República (PGR) ouviu ontem Elias Dhlakama, deputado da Renamo na Assembleia da República (AR) , acusado de ser um dos mentores e financiadores da autoproclamada Junta Militar da Renamo.

Ouvido como declarante, Elias Dhlakama, irmão mais novo do malogrado líder da Renamo, Afonso Dhlakama, distanciou-se das acusações da PGR sobre a sua ligação com a Junta Militar.

Num breve contacto estabelecido com a imprensa, no final da audição, que teve lugar em Maputo, o advogado de Dhlakama, Alberto Sábia, refutou de forma reiterada a imputação de culpa ao seu constituinte.

“Mais do que cabe a mim e ao meu constituinte, foi mesmo cumprir com a solicitação. Nada de envolvimento, nada de contacto, não conhece ninguém. Os que citaram o nome dele não os conhece”, disse Sábia, citado pela AIM

Por isso, disse que cabe à PGR efectuar uma investigação para apurar as alegacões da Junta Militar da Renamo, liderada pelo general Mariano Nhongo.

A audição de Elias Dhlakama segue-se às audições, segunda-feira, na cidade da Beira, do deputado da AR e ex-secretário-geral da Renamo, Manuel Bissopo, e do antigo deputado da Renamo, Sandura Ambrósio, este último detido pelas autoridades policiais semana passada na Beira.

Ambrósio é acusado de ter participado na criação da autoproclamada Junta Militar da Renamo.

A detenção de Ambrósio ocorre após a perda de imunidade pelo facto de não ter conseguido ser eleito na presente legislatura, desta feita pelo partido Movimento Democrático de Moçambique (MDM), o segundo maior partido da oposição no país.

Em Novembro último, seis membros da autoproclamada Junta Militar da Renamo, detidos na província da Zambézia, apontaram alguns membros desta formação política como sendo os principais financiadores.

Além de Dhlakama e Ambrósio, a lista inclui os deputados da AR pela bancada parlamentar da Renamo, designadamente, Ivone Soares, António Muchanga, Manuel Bissopo, todos já ouvidos pela PGR.

Da lista consta ainda o edil do Conselho Autárquico de Quelimane, Manuel de Araújo, entre outros.

Comments

CONVERSAS AOS SÁBADOS

CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO

Administrator: Rogério Sitóe

Administrator: Cezerilo Matuce

JORNAL DIGITAL


Template Settings

Color

For each color, the params below will give default values
Tomato Green Blue Cyan Dark_Red Dark_Blue

Body

Background Color
Text Color

Header

Background Color

Footer

Select menu
Google Font
Body Font-size
Body Font-family
Direction