Imprimir
Categoria: Recreio e Divulgação
Visualizações: 1288

O PRESIDENTE da República, Filipe Nyusi, endereçou ontem uma mensagem de felicitações ao cineasta João Ribeiro e à actriz Ana Magaia pelas conquistas alcançadas no panorama cinematográfico africano com o filme “Avó Dezanove e o Segredo Soviético”.

João Ribeiro arrebatou o prémio de Melhor Realizador Africano (Africa Best Director) e Ana Magaia arrecadou a distinção de Melhor Actriz Secundária (Africa Best Supporting Actress). Ambos galardões foram obtidos no Kisima Music & Film Awards 2020, cujo concurso decorreu recentemente no Quénia, país onde, mais uma vez, o profissionalismo de Ribeiro e Magaia em “Avó Dezanove e o Segredo Soviético” foi ovacionado.

Recentemente, esta obra cinematográfica foi agraciada com o prémio de Melhor Longa-Metragem de Ficção na 7ª edição do Festival Internacional de Cinema da Cidade da Praia (Plateau), em Cabo Verde.

Adaptado do livro homónimo do poeta e escritor angolano Ondjaki, o filme teve estreia mundial no Pan African Film Festival em Los Angeles.

A longa-metragem passou ainda por diversos festivais, entre os quais 5ª edição da Semana de Cinema Africano de Maputo (Moçambique), Festival International du Film Panafricain de Cannes (França) e Black International Cinema Berlin (Alemanha).

Em 2021 o filme irá fazer parte dos festivais New York African Film Festival (Estados Unidos) e Festival des Cinémas d’Afrique du Pays d’Apt (França).

“Avó Dezanove e o Segredo Soviético” decorre numa pequena vila africana à beira-mar, onde a construção de um mausoléu presidencial ameaça destruir as casas dos habitantes.

Jaki e o seu melhor amigo Pi engendram um plano mirabolante para “desplodir” o monumento e salvar o bairro. Um plano condenado ao fracasso, não fosse a inesperada intervenção de um soviético cheio de segredos.

Protagonizado pelos três jovens mirins: Keanu dos Santos, Caio Canda e Thainara Barbosa (o trio de protagonistas), acompanhados pelos experientes Anabela Adrianopoulos, Dmitry Bogomolov, Filimone Meigos e Flávio Bauraqui, o filme é uma co-produção entre Moçambique (Kanema Produções), Portugal (Fado Filmes) e Brasil (Grafo Audiovisual), com o apoio do Instituto do Cinema e Audiovisual (ICA), ANCINE e Ibermedia.