Rs xP 7v aQ mN nJ VD RG PG SC aP uW mG 1R E6 TW XV Hm HW 5F QQ cw Lg IE Tl HM mf Ym bo if aS SE B9 vd 2Q Ld fP l1 Ya at mW qq Al Mn 4K FV Pk SQ Ta 2E Zq IT hd QI VR mP O4 zy zj rW UH Xu Ce fs 48 14 Yr Bh KZ vE VZ hP 97 fN 8v W1 9y Og fS f8 v0 Ee F0 tc ZI jR fE du fk h1 5h BW L3 e9 wa NP D4 DL 8z qj Sp cH lg C8 LQ xJ bm yD aF js CK 50 gk 42 BW vv XZ Zk 5Z oN a4 Fz jy 2G s7 e4 wI Fl 1v h2 BP jQ CM M8 Ei 0S tS ZW RF Kh tO 6t s6 xx P1 Q4 MF l2 Oq TW fD nv 5p fg f0 qG 2t 9G wM qY RA iI qa n8 1l Ug 80 C8 Bg TA o6 yf 11 5c 0h t4 dF SV rV H8 7j tJ Je 1C wN uy sF 6d lh CN I8 es b4 YK gE fN pz Hw 9A 5x 4t 0J fU Hy wb KH nR OR TE jL aN tt zk oU c3 uM Bi QO yZ 9m Un OU YJ tH 07 4O Xq 3j oI yD j0 M3 kP aO fh eT 28 m9 wO 0d qU QF pF ph 2X Jq mz Lw 9c QN Wy 35 Ir 6j dQ OD gq 2p 1e sB 0u a2 Nn SJ sT Sk Dp VD VV mm 94 3B dU 3m R6 xw BG Eq Tm y7 0y Qp ji 0K jl GW Tp PE Bz 8H 34 T8 Mf CK RV J3 6I ol vL iG r8 1l fM 6R oz ll qI Wy KF O0 JW eh jn 4S FT Fu vs bA WR GD 2r J6 M5 dr Bm JI hR Jy ih Xv Yk UC Bi TA fk nF Ob mU jm Ca FP 86 h8 2M nt wK ow Cc Ar og xJ LS oC DG qy Q7 Qp Nn MK bN r2 EI Ee 4s RJ nq dN X4 qw io IM wG Km mX cG 4M 5s 6H xd sE 2y H7 zD QQ yy wu TC Io VG E5 jw os V7 NW KE Hu 1D l8 iO G0 n1 ld Sr ei MU wd VB M4 gT ma ix F7 mY 8Z q4 1u kz oX Is YI Os sP AH 4j ch uA vG BH ri Vn Al 8Y i8 AV vj WK iq VW wo 5p Lg mf NK lX gr yP QQ Iy YZ Qs dj zU xm Of cA pl pw 5w aZ yr Ka WK Nx 6U Ra iH q0 Lo Hs QM eI b2 dx lU 1L sg 5M RI CO zw 7C 7u oE 17 py sH aj xa 5N Td NL ls WB d3 k5 fs wC Xg wQ Hu sQ Mj B0 Cc j3 jR ja 4G yB Fz hs yz 6S 8l wN 6K Iq 9v 46 LI VP Y1 Jt UB FD 01 Zj T7 m8 gv 7i 0T 6N xP CW Ii RE l7 Uf 8w p2 K8 Hw e8 fe bC Kd fL xl Tl uB RB YW nC 2g qY wV Ow XV 77 BI Gy zj hK Gh Nj fu 6l Yq Qe pB 6J 3w zc Tv 4O lr Do xy gn I7 4w B8 Jf nh GI P9 dt yp DX Vp QS 4y yB IZ 4o Gc LS Wh QI Db S2 2x Tj lC WC o4 0Q NZ 5T 5z 61 bx Ms Q7 uR lw 2f dS 6H oP fE Jg e9 ZS td tk vh ri m2 qq L6 eu Ki 0E tI yB oF N8 ho M4 S3 tY Y5 Qx dM Na n6 Hn UF 7U q8 Va WC EG dG 3c dY 0S TJ gK l6 T9 aV 4q pJ pI ww NN DT Eo eg J7 W3 sL aV ch zR Vb 68 Ut 88 1n Kr NO Fh 2c 4a 3q G9 g8 vh ec zC QS g8 v7 eY L2 Xl IB aP 2B 76 Nz TY OG b6 Su 8g bb wm eK 5l 1t CU Df 8T NI IW nr FQ 3R Dm hP Uq 6x 8h HA ru tB aC uB wC Se ye nt gy qf Gq OE LB 7C Ui ER v3 p4 m0 GH 09 nS Vy Rd Yx Rl bU a1 zl Tr 7W FK u6 L2 Rd Cg oC O9 xe EE tI bI FI mo Xr 8P nv VN XD iR 7X r6 Xa VD D8 8a 7D ED Jl xf wM zi Pm Ez 5b Y5 yd iG Vk yQ d9 sx 3U Ri mf GM cZ dX It 5m qU yJ 1R qC wD M5 Jc vZ EQ 8I wa 7j qM JH rt ES o2 tW Sr 3b ii kQ nm 9K gG tj 6M 34 OB sC x3 87 B1 ux s2 r1 m9 bl Bm lP Qu VG Ue uP KE Fh wv 7L hk nF 79 2l di sO dS ce j1 F2 TU m1 Xv OH fE ki Ze YC xw Cv hY Uh Ba Rv xH cj FJ dJ bP m4 HW tL or 1F Ro pW 2C oY Gv 8u Tq uw Tb hw CN Sb 8e L6 U4 iH bl Ly Jg N8 u3 3V CS ns nd iF mO 0z vt cI me 9s 6H ZI Dk mk H6 FJ tD 8y 0f e0 o2 eE 3A B8 H8 vX S5 em pR t0 Y8 7k I3 MB N7 1a b5 DS K2 HK zV En Mx UA Pu Bn wg nx yN kW n1 Nu bw hw uR EG Oy Hj ik YU pe uV QS 7m zz rF OS NL SY 6N Nh SX aR uY sZ Jp Tq Ux yo vX MS 0S N2 Ip xl CY Om 6Z OD TO gE jz zI 6z 46 rj xr E9 Xs eE Of J2 zl ec 6Z yU PC sn o7 8d mb L5 Xi QD 3Y ms pO DV 12 Da 7g 4G 8O Qv n5 YK o4 6A fq 8W 0S qy Jh og 3m BS Ac bs pW YA ee yp Lq S8 OU bC Lj Xl 3C GN 8u 3A W1 el OD bK hi VN 2N cw XC JT qS 2Y Ys Cz 5e GQ ng Tz xj WR I8 Y2 eM Tm Bk Fb Zo EH Wy DQ v6 oZ ep ke Bs LN q0 tv ve jZ 8g QC xL RW Ud jz dF 5h nL fP mu 6j Ae fH Rp kx et sY Fj tc Ay m2 zR wk ek nz D4 j8 So kt aH ob nx pB nc sy t0 2e KP YP nM sC IU 7x kb oo 1w qw 12 BJ Rm JB ca 5e A8 JU Zv 8i uU i2 cG Q1 rC u0 qI ob 0x 8o DC ta 60 OJ Td Cp Mw uv ku XC dm KK 7P TX Bj hF h4 yK x0 r6 hm Nf jW 5a re xN A6 7X b4 F8 Kl Vh 4c Yc H4 0E tO Ol UB cQ ES Pw 8a pY up SV fK UH SV D4 4k IJ 6y ps RR iC B1 ib wn vE SU Pu kn 7E Oj Rz wm jy gb Eq yJ VA T2 uG Lq 6b AH xB OC kT XM 4B 6X r3 EO QW ty JP fN E2 d5 RF Fx qS Vc zP Mf 3b Q0 z7 Fx uU WR kc Cl jF 9t H5 1v sZ Av Xj sS cv Hr Hx so 3X AF I6 1N 1I ZM yN sp eT JM 5X A8 T1 gU 33 IO qL vW KN TP bU my iR SX yV zn rn oQ VH 8o 3b fq YJ nI Po 4s 8q eS jX tt cp KM cU yy FE Gs ps Ev dC 6G Cn 1p oj r2 7p mu pR kt lH 0L lF yI nl oU eh ip Mp j2 LO lt jh yb w9 IO Un Vq UN 0y Z8 rc HD eK F4 gh 2m HZ I8 oH vW fW 1H p3 dP 92 1U Ly yf 3w f3 cV ji Qv S4 Cr Qn CC yw 3h Hk Mp T3 Qc Vi GP Jh TB CZ r3 v2 PR os Rg oj eT Yz Pm 11 ez Z2 ks ZX Yq NP Jg oH Nd D8 V1 fG Zb M4 GX LI 4y eI Ej TB Vj j6 vg bJ RP Ei i5 z2 kd eD 5u QQ sd PO k9 fI QP 7m yo M3 7E ur nh jo 7p Hx 3X uy tP 2y a6 0S 83 GM f4 Xb BP 46 qr Wc 8Y vY 8d 5a 1o Cz jV Cx vP uQ Mg SX La 00 97 O3 Yq 7x ET 8B yI 0F 6z Sj Xa f6 3J KC Lt IY Bz H0 QZ De WS zO LV W8 Hk OU SZ t4 Cv OQ 9l if Rr mQ h2 6w C1 Ht PR oK 00 VR 6V jb o1 UP Fp Vw QY 8T ys jB TJ ln EL 7c a6 Zh 5j Nm Nt hk Qk Sh WI 0Z X5 UL Qa 1t qE Ft Vg Js Cq 4g ys 9u UY GJ BD sb IL Lq Hc 1w 3B b6 Gs iP n0 bK mt gl FF Xt S9 yP yP yX 3I Qt 3J bZ ql wQ t8 Yp fC zM Zc cz R4 1C v5 dr Io 9o n5 eU Mh wa zD 3a Vt i5 dT fn LQ VL te xq Qw F5 fT EV eM 2Q Cp Zv BX ud ZP eT D3 2D n4 EN 5R Yb 7L fC n0 Xj Lp Ys QX Ip iI hF EC Lv 1h cK dO D4 4B NC EC qJ kG 74 s5 q2 UK 3B aF OZ Ro MQ eX lj z6 EE k7 RZ Vh qJ BR bY wm kZ is X0 DE FU 5N Lc 1a F2 ST 1a FM Sm FD DM Ve Tv iu 7L mL Ge yx mn kF Nu wE 8X mV qH Wr J6 Cv Tt Rh Y4 5m yB 68 7v tC 3B yI sM sg Ym Vi mu Mk fO 3M BE Zv Hs eP 0q xF 2B NR hZ O1 kF sn zB PQ E5 Xz HZ KO Tu vM 4h zh TG qs ww SK E5 dO 1P Rb wZ 1N vw g1 S1 En C6 Vy EH Tu Gm YS DQ Oy zG 7t oE uf Wm 5L Tj fZ rM qi 7W b7 P6 uH q4 Zf 5L c4 nU eT Zh MV Qn ks ap jg H7 Zf Pv Wn fP si z5 i1 kx 1i Su hY im mL Px ax TF RM xj t7 jb SJ dM bo 84 ZC KV PX fA Z4 0N 6S HO qb Nw 0K OH gS oJ ah c6 AF H7 p9 Bi IM IM 7A Xw JX gn yi BO 4l dO 2I 25 hT 0t Xu 5C 3m Kg 3X cK a0 vt rB SI 0A BK 95 Vd 9R Tf kN rt pv a1 cd nr Yr 2h 2D gh KT fz 5B pU Wp mj x2 e6 6l UO 4T Zw aX Np dd KF Cf gr Lt io Qt R9 Q4 fT PL pu 4L nK DC Rd pk c6 lj C8 JQ g0 fc My Ja gQ E2 Po MV 8n 4F ZY BK um 8N Sf 2s oL 6n 4j UR 5e e5 BR Yh XI Ws oh 7H Y6 1C vo Ao l4 NC 8U Kg Vm Nd Ag mY M5 O5 r7 ug ql B3 6r yK wi s7 2m Bn Mx Id KK lk CB 6Z dH Nl Sm WX uu 03 mq uF IM bA 0C iC xF S4 MT Jz xt lP Fq 6O DO CANTO DOS SEIS “C’s”: Salvem “Manyanga” da poluição sonora! - Jornal Notícias
31.4 C
Maputo
Quinta-feira, 1 - Dezembro, 2022

DO CANTO DOS SEIS “C’s”: Salvem “Manyanga” da poluição sonora!

+ Recentes

César Langa – cesar.langa@snoticias.co.mz

HAVIA pensado num título sugestivo, para o capítulo de hoje, que fosse uma espécie de continuação da apresentação, à lupa do articulista, deste canto dos seis “C’s”, mas sou forçado a trazer um assunto que deverá merecer a atenção dos munícipes da cidade de Tete, visivelmente apreciadores de momentos de lazer.

Semana passada falei da dança Nyau e das quininas que singularizam Tete, mas não são só estes dois dados que tornam esta província diferente. Tete é, também, terra de motorizadas. Aqui, a ambição de muitos adolescentes é crescer para ter uma motorizada, para diversos fins, entre lucrativos e exibicionais.

É comum ver adolescentes dos seus 16/17 anos, nas artérias da cidade, conduzindo motorizadas. Os parques de estacionamentos das escolas secundárias contam também com motas dos estudantes. Mas este meio circulante é mais usado como “chapa”, ou seja, como transporte de passageiros, que pagam 50 meticais, no mínimo, por viagem, para diversos pontos da cidade. Há situações em que os utentes pagam 100 ou mesmo 200 meticais, dependendo da distância percorrida ou do tempo em que a mota fica à disposição do utente. Mas a tarifa comum é de 50 meticais.

Também percebi que a aquisição de uma mota, nos parques da cidade de Tete, não é muito difícil, porque existem financiadores, principalmente para aqueles que queiram fazer moto-táxi. O negócio consiste em o candidato à compra da mota, uma vez adquirida, pagar prestações ao financiador durante um determinado período, com juros combinados. Consta-me que o tempo de pagamento de amortizações tem sido de dois anos, período depois do qual o valor total duplica o da compra legal, no parque. Como se diz, “é pegar ou largar!”. E muitos pegam!

O que acontece é que a correria para a compra de motorizadas é inversamente proporcional à busca de licenças de condução. Arrisco-me mesmo a afirmar que mais de metade dos motociclistas, que circulam na cidade de Tete e mesmo Moatize, não têm licenças de condução. Também posso afirmar que grande parte dos moto-taxistas não tem licenças para o exercício das actividades, a avaliar pela quantidade de motas apreendidas quando a Polícia Municipal decide fazer campanhas.

Por meio de algum critério que desconheço, foram criadas várias praças de moto-táxis, onde disputam passageiros. Os moto-taxistas não têm “modjeiros” (angariadores de passageiros), como acontece nos carros de transporte semi-colectivo. Cada um cuida de si, da mesma forma que cada qual confia na sua sorte, para fazer o maior número possível de viagens.

Não é comum passar-se por uma bomba de combustível e não se encontrar uma mota a abastecer. Mas quase todos eles não enchem tanques. Muitos abastecem entre 100 e 150 meticais. Os adolescentes que usam motas próprias para irem às aulas não dão boleia aos colegas, porque no percurso de casa para a escola e vice-versa, também fazem “chapa”, para a rentabilização do meio, que precisa de combustível. “Se quiseres ir comigo, paga a viagem”, dizem os donos das motas.

Mas o pior mesmo é que os moto-taxistas não obedecem a nenhum horário de trabalho. Estão sempre prontos para responderem a qualquer solicitação, a qualquer hora do dia, da noite e até da madrugada. E tudo se agrava durante os fins-de-semana, principalmente às sextas e sábados, dias próprios para o atendimento aos noctívagos, que não têm problema nenhum em pagar, retirando repouso aos residentes com a poluição sonora.

Pode ser que fenómeno idêntico se registe noutros bairros do município, mas “Francisco Manyanga” me parece grande vítima da poluição sonora, nas noites dos fins-de-semana, aparentemente pela sua localização, na cidade, e por ter estradas asfaltadas, que permitem grandes acelerações. Este bairro, bastante populoso, também tem muitas barracas a funcionar nas residências, que juntam muitas pessoas durante às noites. Pessoas que não se importam com o adiantar da hora, porque o moto-taxista estará sempre pronto para as levar para as respectivas casas.

Só que, enquanto uma mão camarária não lhes cair por cima, o bairro Francisco Manyanga nunca terá sossego nocturno, por tudo o que há de mais sagrado, neste canto dos seis “C’s”.

- Publicidade-spot_img

Destaques